Não Vivo Sem Cosméticos

Você está aqui: Home Cabelos Mostrando itens por tag: alisamento
Terça, 04 Abril 2017 17:02

Alisamento com argilaterapia

Linha Bio Amazônica alisa, reduz o frizz e controla a oleosidade com ingredientes naturais.

Publicado em Cabelos
Quinta, 10 Fevereiro 2011 17:32

Segurança na escova progressiva - parte I

O uso de formol em produtos de alisamento é proibido e não só o cliente, mas também o cabeleireiro podem colocar a saúde em risco ao utilizá-lo. Mas a escova definitiva se popularizou de tal maneira que novas opções surgem frequentemente e é preciso muita cautela para avaliar se o produto é adequado ou não para você. Nessa reportagem, especialistas dão dicas muito interessantes e esclarecedoras.

Na primeira parte da matéria, que ficará em destaque por duas semanas aqui no site, explicamos o que é o formol, quais danos causa à saúde e quais os tipos mais comuns de alisamento seguros. Na segunda parte, que divulgaremos dentro de 15 dias, você ficará sabendo as diferenças entre os vários tipos de escovas (inteligente, progressiva, de frutas, marroquina, etc.),como fazer a manutenção para seu cabelo ficar liso e saudável e ainda poderá ver uma galeria com fotos de vários produtos para quem opta por esse tratamento.

Para começar, é preciso reforçar que o uso de formol em produtos para alisamento capilar foi proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na concentração permitida para produtos capilares, de 0,2%, ele é apenas um conservante. Então, o que você está usando na sua progressiva? Enquanto você pensa nisso, vamos entender de que substância estamos falando.

O formol ou formaldeído é um composto químico cujo uso representa riscos à saúde - que vão desde reações alérgicas até a morte, no caso de exposição a altas concentrações - não apenas para quem usa, mas também para o profissional que realiza o procedimento.
A substância, que causa polêmica quando o assunto é relaxamento ou alisamento dos fios, é um composto de cor clara, utilizado como preservativo, conservante ou antisséptico; no embalsamamento de peças de cadáveres; na confecção de seda artificial, celulose, tintas e corantes, soluções de ureia, tioureia, resinas melamínicas, vidros, espelhos e explosivos; para dar firmeza nos tecidos; na confecção de germicidas, fungicidas agrícolas, borracha sintética e na coagulação de borracha natural. É empregado ainda no endurecimento de gelatinas, albuminas e caseínas e na fabricação de drogas e pesticidas.

alisamento/Salão Pedro PauloO médico dermatologista Francisco Le Voci, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e coordenador do Ambulatório de Cabelos da Faculdade de Medicina do ABC e do Departamento de Cabelos da SBD explica por que a substância é nociva e não pode ser utilizada em nenhum cosmético para alisamento:

1. Por que o formol é prejudicial à saúde?
Ele é tóxico quando ingerido, inalado ou ao entrar em contato com a pele, via intravenosa, intraperitoneal ou subcutânea. Em concentrações de 20 ppm (partes por milhão) no ar causa rapidamente irritação nos olhos. Sob a forma de gás, é mais perigoso que em estado de vapor.

2. Por que é utilizado em alguns cosméticos capilares?
A substância tem sido utilizada indevidamente em altas concentrações nos cosméticos capilares, com o objetivo de produzir alisamento dos cabelos, pois possui esta ação quando em contato com os fios.
3. Quais são as reações adversas que o formol pode causar?
São várias e graves, incluindo câncer e, em altas concentrações, o óbito. Entre as principais reações adversas podemos citar: contato com a pele – irritação, vermelhidão, dor e queimaduras; contato com os olhos – irritação, vermelhidão, dor, lacrimação e visão embaçada. Altas concentrações causam danos irreversíveis. A inalação pode causar até câncer no aparelho respiratório, dor de garganta, irritação do nariz, tosse, diminuição da frequência respiratória, irritação e sensibilização do trato respiratório e graves ferimentos nas vias respiratórias, levando ao edema pulmonar e pneumonia. A exposição crônica, frequente ou prolongada pode causar hipersensibilidade levando às dermatites. O contato repetido ou prolongado pode causar reação alérgica, debilitação da visão e aumento do fígado.
4. Como saber se as substâncias utilizadas na fórmula de um produto são seguras para o consumidor e o profissional?
Existem concentrações seguras de uso do formol em cosméticos como CONSERVANTE (é permitido até a concentração máxima de 0,2% para evitar a proliferação de microorganismos), mas NÃO PARA ALISAMENTO dos fios, conforme definido pela Anvisa. Os produtos alisantes devem conter no frasco o selo de aprovação da Anvisa, por isso o consumidor deve exigir ver o frasco do produto que está sendo utilizado, além de procurar locais de sua confiança para fazer o alisamento. O cheiro intenso é um dos principais sinais de manipulação incorreta.
5. Quais os ingredientes mais seguros para quem deseja controlar os cachos?
As substâncias permitidas pela Anvisa para alisamentos capilares são: Tioglicolato de Amônio, Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Potássio, Hidróxido de Cálcio, Hidróxido de Lítio e o Carbonato de Guanidina.
6. Para quem os produtos que contêm formol são contraindicados?
Todas as pessoas podem ser prejudicadas com o uso do formol em cosméticos, desde os consumidores até os profissionais que aplicam a substância. Somente pessoas treinadas e protegidas podem manipular o composto.
Então, não custa repetir: se o cabeleireiro disser que o alisante contém a quantia de formol liberada pela Anvisa (0,2%), você já sabe que o ativo que alisa é OUTRO, pois nessa concentração o formol só serve como conservante. Nesse caso, peça para o cabeleireiro para ver o rótulo do produto que irá utilizar e se ele se recusar, vá embora.

Agora que você já sabe que não é permitido usar formol em nenhum tipo de escova química, que tal aprender um pouquinho sobre as modalidades mais comuns de progressivas disponíveis no mercado?

O consultor técnico da indústria de escovas e produtos de higiene bucal e produtos de beleza Condor, Gennaro Preite, lembra que há vários tipos de escovas progressivas com bons resultados e sem riscos aos fios e à saúde. “O ideal é que a pessoa procure um cabeleireiro de confiança para ajudá-la a escolher a melhor escova para seu tipo de cabelo, de acordo com o resultado esperado - reduzir o volume, deixar totalmente liso ou recuperar os fios danificados”, diz.

O cabeleireiro William Silva, do salão Pedro Paulo Cabeleireiros (RJ), esclarece que a indústria cosmética evoluiu para atender todos os tipos de cabelos e  às necessidades das mulheres que desejam fios cada vez mais lisos, mas com aspecto natural e saudável. Ele diz que os tipos de alisamento permitidos utilizam como principais ativos o hidróxido de sódio, o hidróxido de cálcio, o lítio, a guanidina, o tioglicolato de amônia e o tioglicolato de etalonamina. "Essas substâncias químicas têm a função de desestruturar as cadeias internas dos fios, modificando a textura para um formato liso ou menos ondulado. Os produtos à base de hidróxidos de sódio, cálcio, lítio e guanidina são indicados para cabelos étnicos, mais crespos. Já os tioglicolatos de amônia e etalonamina são ideais para cabelos europeus, com cachos largos, volumosos e ondulados", afirma. Veja a entrevista com o expert:

1- Como funciona cada tipo de alisamento?
Os hidróxidos retiram as pontes de cistina, dando uma nova forma ao fio. Quando lavado após o processo de alisamento, se utiliza um xampu indicador para verificar que não existe mais resíduo da química sobre a haste capilar. Já o tioglicolato de amônia também retira as pontes de cistina, só que com uma diferença dos hidróxidos: utiliza-se neutralizante após o alisamento para impedir que o ativo químico continue agindo a ponto de promover a quebra dos fios. O neutralizante religa as pontes de cistina, o que firma o novo formato do cabelo.
2- Qual dessas técnicas é menos prejudicial à haste capilar? Por quê?
Todos são seguros, desde que seja feita uma profunda análise do fio para saber qual ativo deve ser usado e a força a ser aplicada. Para que não ocorra nenhum contratempo, é imprescindível fazer sempre o teste de mecha para saber se o fio resiste àquele produto e quanto tempo ele poderá ficar sobre o fio.
3- Como saber se uma formulação para alisamento e confiável?
O ideal é sempre utilizar produtos de marcas reconhecidas no mercado e que são certificados pela Anvisa.
4- Quais são as opções de tratamentos para diminuir o volume dos fios?
Relaxamentos, defrizagem, amaciamento, escova francesa e escova definitiva (recondicionamento térmico).
5- Quais cuidados devem ser tomados ao fazer alisamento em uma cliente que fez este tratamento em outro salão ou alisou em casa?
Quando for aplicar pela primeira vez, a pessoa tem que saber qual princípio ativo será usado em seu cabelo e guardar essa informação para comunicar a outro profissional no futuro. Para quem já fez em outro salão ou em casa, é importante fazer o teste de mecha para saber se o princípio ativo é compatível com aquele que a pessoa já tem no cabelo. Se realizar o teste da mecha e os fios começarem a se romper é sinal que o produto não é indicado para este tipo de cabelo. Se a cliente ou o cabeleireiro persistir na aplicação, as consequências serão desagradáveis.
6- Em quais situações os fios podem cair ou partir durante um alisamento?
Quando as químicas não são compatíveis. No caso do tioglicolato, se a aplicação for realizada no sentido contrário ao do crescimento do fio pode acontecer o rompimento ou se criar uma espécie de vinco no fio, que mais tarde pode vir a se partir.
7-Existe alguma técnica que pode alisar a raiz e deixar as pontas cacheadas?
Com a escova francesa, que é a base de tioglicolato, se consegue uma boa redução de volume, mas a permanência dos cachos nas pontas vai depender da forma natural do cabelo.
8- Se a pessoa deseja alisar e colorir, qual dos procedimentos deve ser feito primeiro?
Sempre alisar primeiro e colorir depois. Se a técnica aplicada é à base de tioglicolato, pode-se tonalizar no mesmo dia do alisamento.
9- Quais produtos devem ser usados em casa para cuidar dos cabelos alisados?
Usar uma linha reconstrutora para cabelos quimicamente tratados, que pode ser conciliada com uma linha hidratante para proporcionar maior emoliência aos cabelos e, assim, contrabalançar a rigidez que o reconstrutor deixa no fio.

CLIQUE AQUI PARA VER A SEGUNDA PARTE DA MATÉRIA!

Publicado em Cabelos
Sexta, 08 Janeiro 2010 09:11

Alisamento para descoloridos

kit BlondLissAgora quem tem cabelos coloridos, descoloridos ou com mechas já pode alisar os fios, com o novo sistema de alisamento progressivo BlondLiss, da Hidran Cosméticos. O produto foi lançado especialmente para o verão e, segundo a empresa, na primeira aplicação já ocorre a redução de 70% do volume dos fios. A fórmula contém o complexo Bio-Restore para restaurar os cabelos extremamente danificados por processos químicos, promovendo a reposição dos aminoácidos essenciais à fibra capilar, conferindo força, resistência e flexibilidade.

O BlondLiss é vendido em uma caixinha com o kit completo para um alisamento temporário e custa R$ 25 (preço sugerido). Para mais detalhes sobre os itens que compõem o kit visitem o site da empresa, aqui, enviem e-mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  ou liguem para o Telebeleza: (21) 2445-2523.

Com informações da Espaço Mídia Assessoria & Comunicação
Publicado em Cabelos